Fagner vê sorte em oscilação precoce do Corinthians no Brasileiro

Fagner é da opinião de que os 20 times terão uma fase ruim no extenso Campeonato Brasileiro. Para o jogador, o Corinthians já gastou sua cota passando três partidas sem vitória, com derrotas seguidas para Palmeiras e Grêmio, e terá um desempenho mais constante no restante das 38 rodadas.

“Eu penso assim: o Brasileiro é muito longo, e todas as equipes vão passar por um momento de oscilação, de baixa. Costumo dizer que, por sorte, nossa fase ruim está sendo agora, foi agora, está acabando”, afirmou o lateral direito, satisfeito com o triunfo por 1 a 0 sobre o lanterna Joinville, no último sábado.

O resultado deixou o Corinthians na oitava colocação ao fim de seis rodadas, com dez pontos, cinco a menos do que o líder Atlético-PR. “Tenho na cabeça que as coisas só têm a crescer agora, é a expectativa. Se a gente passou por uma oscilação no começo, espero que do meio para a frente seja como a gente quer”, acrescentou Fagner.

De acordo com o atleta, referindo-se ao comportamento mais defensivo adotado contra o Joinville, o time “recolheu os cacos e soube ser humilde” após uma sequência de resultados negativos. Diante do lanterna, foi suficiente para um triunfo pelo placar mínimo.

Divulgação/Agência Corinthians

Fagner gostou da humildade do Corinthians após a sequência negativa (foto: Daniel Augusto Jr.)

O goleiro Cássio já havia admitido que a estratégia passou a ser “segurar lá atrás” e “não tomar gol”. Um contraste com a equipe que começou a temporada com a pretensão de uma nova vocação ofensiva. Ela rendeu bons jogos antes de uma queda brusca de rendimento, que demorou a ser admitida pelo técnico Tite.

“Nos primeiros três ou quatro meses do ano, falavam que o Corinthians era o time-sensação do Brasil, que jogava bonito, que fazia infiltrações. Ao mesmo tempo, era uma equipe que não sofria tantos gols, conseguiu juntar as duas coisas. Vamos trabalhar para readquirir essa condição”, disse Fagner.

Por enquanto, a ideia é mesmo minimizar os riscos, especialmente diante de um adversário forte como o Internacional, rival no próximo sábado, em Itaquera. “Agora, é continuar nesse ritmo, o padrão tem que ser mantido. Degrau a degrau, a gente consegue coisas maiores”, concluiu o lateral.

Fonte: Gazeta Esportiva

Veja Também