“Tom de deboche” incomoda dirigente do Corinthians no caso Amarilla

A recente divulgação de escutas telefônicas que colocaram em suspeita a escalação de Carlos Amarilla na partida que eliminou o Corinthians da Copa Libertadores de 2013 reacenderam a indignação de Edu Gaspar. Para o gerente de futebol do clube, o que mais incomoda no caso é o escárnio demonstrado pelo árbitro paraguaio.

“Foi realmente uma grande lástima. Ver essa cena, a maneira como tratam o futebol, dando risada… Remete a um tom de deboche, que nos machuca. Não pode ser tratado assim o futebol”, afirmou o ex-jogador, em participação no programa Mesa Redonda, da TV Gazeta.

Nas oitavas de final da Libertadores, há dois anos, auxiliado por Carlos Cáceres e Rodney Aquino, Amarilla anulou dois gols do Corinthians e deixou de marcar dois pênaltis para a equipe alvinegra. Com o empate por 1 a 1 no Pacaembu, o Boca Juniors avançou na competição.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Atuação de Carlos Amarilla nas oitavas de final da Copa Libertadores de 2013 deixou alvinegros revoltados

Na esteira das investigações sobre corrupção no futebol, surgiu um telefonema no qual Julio Grondona – presidente por décadas da Associação do Futebol Argentino (AFA), morto no ano passado – aponta o paraguaio como “maior reforço do Boca”. Na mesma ligação, Abel Gnecco, representante argentino na arbitragem da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), gaba-se de ter forçado a escalação de Amarilla.

Agora, o clube do Parque São Jorge aguarda as investigações. “O Corinthians, com seu departamento jurídico, tomou suas providências. Comunicou a CBF, que comunicou a Conmebol. Agora, vamos esperar. Estamos atentos aos próximos passos”, disse Edu, antes de repetir: “Como disse, é uma lástima passar o que nós passamos”.

Fonte: Gazeta Esportiva

Veja Também