Abalado por críticas do passado, Felipe tenta não se perder com elogios

Felipe trocou o Bragantino pelo Corinthians no começo de 2012, mas só foi ter reais chances em 2014, com Mano Menezes, e não foi bem. As críticas pelo mau desempenho no Campeonato Paulista e em parte do Campeonato Brasileiro abalaram o jogador, que agora tenta lidar melhor com os elogios.

“No começo, quando cheguei ao Corinthians, foi tudo a mais. Eu me preocupava um pouco, ficava um pouco abalado. Falei com meu pai, com meu empresário… Não procurei psicólogo, mas a família me ajudou a não absorver muito isso e fazer minha parte dentro de campo”, afirmou.

O zagueiro demonstrou algum crescimento na reta final da temporada passada e, já sob comando de Tite, começou 2015 com a vaga de titular caindo em seu colo pela saída repentina de Anderson Martins. A diretoria correu atrás do experiente Edu Dracena, mas ele não foi bem até agora e só tomou a posição brevemente.

Djalma Vassão/Gazeta Press

Bem mais rápido do que Dracena, Felipe permite ao Corinthians adotar uma marcação mais adiantada

Desde que Felipe reassumiu a vaga, a defesa do Corinthians passou a exibir uma consistência bem maior. A caminho de igualar a pontuação do líder Atlético-MG, a formação do Parque São Jorge não tomou nenhum gol nas últimas cinco rodadas do Campeonato Brasileiro.

A sequência rendeu uma boa avaliação ao sistema defensivo preto e branco, especialmente à dupla formada por Felipe e Gil. Antes abatido com críticas, o camisa 28 procura evitar se apegar aos comentários positivos. “Os elogios, às vezes, acabam subindo para a cabeça”, resumiu, em um alerta para si mesmo.

Fonte: Gazeta Esportiva

Veja Também