Confundido com Cássio, Walter se vê pronto para mais uma “fria boa”

Walter precisou corrigir um repórter que o chamou de Cássio na entrevista concedida na tarde de quarta-feira, no centro de treinamento do Corinthians. Não foi a primeira vez que isso aconteceu com o goleiro, habituado a ocupar o lugar do amigo não só dentro de campo.

“Acontece em todo lugar. Depois dessa última partida, uma mulher me puxou pelo braço: ‘Cássio, Cássio, Cássio, tira uma foto’. Falei: ‘Pô, não sou o Cássio’. A fisionomia até parece, mas nem tenho cabelo direito”, afirmou o camisa 27, que se recusou a apontar qual dos dois é mais bonito.

Semelhança física à parte, Walter fez um bom trabalho sempre que precisou substituir o titular. Foi o que aconteceu no último domingo, na vitória sobre o Flamengo, e foi o que aconteceu em várias oportunidades no ano passado. Contra o Atlético-MG, no sábado, ele substituirá mais uma vez o camisa 12, com lesão na coxa esquerda.

“A gente se prepara todo dia, porque sempre acaba precisando. Neste ano, apareceu menos chance, foram cinco jogos só. Mas tem que chegar e dar conta do recado. No decorrer do meu tempo aqui dentro, peguei algumas frias, frias boas para mim. Isso acaba dando experiência”, afirmou.

Djalma Vassão/Gazeta Press

O goleiro alvinegro Walter se vê com alguma frequência obrigado a explicar que não é Cássio

No Campeonato Brasileiro do ano passado, Walter entrou em uma situação bem parecida com a atual. Ele substituiu Cássio durante uma goleada sobre o Sport, na Ilha do Retiro, e foi titular na vitória sobre o líder Cruzeiro. Desta vez, foi acionado no decorrer do triunfo sobre o Flamengo, no Maracanã, e está escalado para pegar o primeiro colocado Atlético-MG.

Essas oportunidades raras têm satisfeito o jogador, que é amigo do titular e não se incomoda de ser seu reserva. No final da última temporada, ele recusou uma proposta da Ponte Preta por preferir a suplência no Corinthians à titularidade na formação de Campinas.

“Mesmo no banco, o Corinthians é uma vitrine imensa. Quero ficar o maior tempo possível aqui, um lugar em que me acolheram com muita moral. Cheguei como quinto goleiro, já estou como segundo. É um grande feito. Quando precisa, procuro entrar e ajudar a equipe a ganhar os três pontos”, concluiu.

Fonte: Gazeta Esportiva

Veja Também