Polêmica na quarta-feira, arbitragem volta a ser assunto em jogo do Timão -Gazeta Esportiva.net

00696647 Polêmica na quarta feira, arbitragem volta a ser assunto em jogo do Timão  Gazeta Esportiva.net
Bandeirinha catarinense assinalou impedimento discutível em lance de ataque do Avaí (Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)

Na quarta-feira a polêmica foi em torno do trio de arbitragem paulista que atuou em Corinthians 4 x 3 Sport, e neste domingo o assunto é bastante semelhante. Lance de maior discussão na vitória alvinegra por 2 a 1 sobre o Avaí, o gol anulado de Jéci aos 37 minutos do segundo tempo recoloca os donos do apito sob holofotes.

Desta vez não é o paulista Luiz Flavio de Oliveira a figura questionada, mas a bandeirinha Nadine Schram Camara Bastos, filiada à Federação Catarinense. Foi ela a responsável por assinalar impedimento no extremamente discutível lance de Jéci, em que o zagueiro avaiano recebe em posição duvidosa e completa a gol. Naquela altura o placar ainda estava empatado em 1 a 1.

Se a isenção da arbitragem já é colocada em xeque naturalmente a cada decisão polêmica, a filiação dos árbitros tem fomentado discussões deste tipo nas últimas rodadas. No meio de semana o fato de o estado do árbitro coincidir com o do Corinthians foi alvo de críticas antes mesmo de a bola rolar, e até o técnico Tite julgou “desnecessária” a escala de um paulista na partida.

A assistente catarinense Nadine Bastos agora sofre o mesmo processo inquiridor. Nem os replays das televisões que transmitiram a vitória corintiana provam posição legal ou impedimento de Jéci. Antecipando-se à polêmica, Tite pronunciou-se sobre a questão assim que ficou à disposição da imprensa neste domingo.

“Foi impedido, viu. Todo o Cifut (Centro de Inteligência de Futebol do Corinthians) me disse, e vim para a entrevista calçado. Só quero falar a verdade, porque falo a favor e contra também. Temos tudo bem alinhado, então já vim preparado”, argumenta o treinador, resguardado pelo departamento que lhe fornece dados.

O autor do gol invalidado, porém, tem opinião. “Falei para a bandeira. Acompanhei a trajetória da bola e, quando ela foi desviada, saí de trás. Na minha opinião, não estava impedido, mas é difícil”, disse Jéci à rádio Guarujá, de Florianópolis.

A presença de árbitros ou bandeirinhas do mesmo estado de algum dos times de uma partida passou a ser possível neste ano, visto que a CBF deixou de proibir este tipo de situação. O trio de arbitragem segue sendo definido por sorteio, mas não mais dirigido para que a coincidência seja evitada. Segundo a Comissão de Arbitragem da entidade, a proposta é “dar maior confiança ao árbitro”.

Fonte: Gazeta Esportiva

Veja Também