Felipe nota evolução na equipe e diz: “Ninguém gosta de ficar no banco”

00850740 Felipe nota evolução na equipe e diz: “Ninguém gosta de ficar no banco”
Felipe ressalta concorrência no elenco e diz que isso qualifica o trabalho (Foto:Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

Um dos atletas que mais atuou pelo Corinthians em 2016, ficando fora de apenas três partidas, o zagueiro Felipe assumiu neste ano a responsabilidade de ser o “xerife” da zaga na ausência de Gil, negociado com o futebol da China. Respaldado por Tite, Felipe avaliou como positiva a evolução da equipe nestes primeiros meses e admitiu que a disputa por posição no elenco é intensa.

Escolhido para conceder coletiva nesta segunda, dia de reapresentação do elenco alvinegro, Felipe comentou o gol marcado sobre o Botafogo no último domingo, que deixou ainda mais especial o seu centésimo jogo pelo Timão. E foi no jogo 100 de Felipe que o Corinthians conseguiu a vitória mais elástica da temporada até então: 3 a 0 diante do Botafogo-SP.

“O time vem se acertando aos poucos. Esse jogo foi muito bom. A equipe começou a se entender melhor. Todos querem ser titulares. A briga acontece nos treinos e nos jogos. Ninguém gosta de ficar no banco. Demonstramos ontem (domingo) que a equipe está bem madura. Essa dúvida é boa. Todos estão jogando em alto nível. Ele (Tite) quer que todos entrem bem e possam corresponder”, comentou o defensor.

Com um duelo decisivo pela Copa Libertadores no meio de semana, Felipe crê que os erros defensivos que o Timão cometeu na capital paraguaia não serão repetidos. “A cada jogo a gente vem jogando melhor, com uma postura diferente. Contra o Botafogo conseguimos nos portar bem. Daquele jogo (no Paraguai) não tem tanta coisa para ser levada. Vimos o que erramos e corrigimos no fim de semana”, ponderou.

Ostentando a melhor campanha do estadual, com 20 pontos, o Corinthians busca o equilíbrio ao dividir as atenções entre Paulista e Libertadores para não sair prejudicado em nenhuma das duas frentes. Para o zagueiro, porém, é preciso pensar jogo a jogo já que futebol é momento. “É bom estar em primeiro, mas sabemos que não é sempre assim. Temos que ser humildes para aceitar isso e tentar ser melhor a cada jogo”, disse.

*especial para Gazeta Esportiva


Fonte: Gazeta Esportiva

Veja Também