Sempre disposto a poupar, Tite pede clássicos longe da Libertadores

A2938F97851 1024x683 Sempre disposto a poupar, Tite pede clássicos longe da Libertadores
Tite se acostumou a distribuir coletes a reservas antes de clássicos (foto: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians)

É tão clara a prioridade dada por Tite à Copa Libertadores em relação ao Campeonato Paulista que ele chegou a deixar titulares fora na semifinal do Estadual, sendo eliminado pelo arquirrival Palmeiras no ano passado. Para ele, escalar força máxima em clássicos da competição regional só é possível se não houver um confronto sul-americano no horizonte.

“Enquanto você estava fazendo a pergunta, eu respirei fundo aqui e lastimei”, disse o gaúcho, justificando a escalação de reservas no jogo contra o Santos, no domingo, três dias antes de visita ao Cerro Porteño, no Paraguai. Já foi assim no embate com o São Paulo e certamente será diante do Palmeiras, antes da visita ao Santa Fe.

“Não é o ideal. Não deve ser. Sei que há um sorteio da tabela, mas tenho a sugestão de que, no ano que vem, haja a prerrogativa de mudar uma ou duas datas para não ter clássico nessas situações. É necessidade. Enfrentar o Santos é um campeonato à parte. São Paulo é campeonato à parte. Palmeiras é campeonato à parte”, comentou Tite.

No campeonato à parte deste final de semana, na Vila Belmiro, serão seis os reservas do Corinthians que iniciarão a partida. Quatro titulares – Felipe, Rodriguinho, Giovanni Augusto e Guilherme – não ficarão nem no banco de reservas.

“Nós avaliamos a sequência de jogos e o tempo de recuperação”, afirmou o treinador, antes de admitir que a escalação seria outra se o confronto fosse decisivo – em uma competição que de fato considere importante, não uma “à parte”.

Ainda assim, ele julga absurdo que se use a palavra “poupar”.

Seja qual for a escolha lexical, o Corinthians voltará a enfrentar o Santos com reservas, como foi na eliminação diante da formação praiana nas oitavas de final da última Copa do Brasil. Na ocasião, o jovem meia Matheus Pereira foi escalado porque havia chegado o seu momento. Ele nunca mais atuou um minuto sequer como profissional.


Fonte: Gazeta Esportiva

Veja Também